Com preço de US$ 1.000, novo iPhone cruza barreira do luxo – 10/09/2017 – Tec


Publicidade

Quando a Apple revelar seu novo iPhone, nesta terça-feira (12), não estará só oferecendo novas funções como reconhecimento facial a infravermelho e carga sem fio.

A empresa muito como entrará em um novo patamar de preços: o celular custará, nos EUA, cerca de US$ 1.000 (R$ 3.095), contra os US$ 769 (R$ 2.380) de seu melhor instrumento moderno, o iPhone 7 Plus.

“É uma nova fronteira”, disse Debby Ruth, vice-presidente sênior da firma de consultoria Frank N. Magid Associates. “Eu realmente acho que vai constituir as pessoas pararem no sentido de pensar.”

Desde o lançamento do iPhone, há uma década, a Apple sempre posicionou como um produto “premium” –uma opção mais refinada e muito acabada que as legiões de smartphones mais baratos disponíveis no mercado.

Mas desta vez a empresa está entrando no território do luxo. O novo celular custará tanto quanto o mais desobstruído laptop da companhia, o MacBook Air. “Eles estão apostando em dobro em sua nova estratégia: estão indo muito mais à faixa ampliação”, disse Ruth.

A Apple não quis constituir comentários dantes do publicidade do produto, marcado no sentido de terça-feira. No sábado, Steven Troughton-Smith, um desenvolvedor que analisou o software iOS 11, encontrou referências indicando que o novo telefone de ponta será chamado iPhone X.

Os investidores apostam que a promoção da Apple na escala de preços os recompensará com lucros muito maiores, especialmente em mercados maduros como os EUA e a Europa ocidental, onde muitos compradores estarão fazendo um “upgrade” de iPhones mais antigos. A conflito da companhia subiu quase 50% no último idade conforme crescia a expectativa em torno dos modelos 2017.

A estratégia da Apple encerra riscos, contudo, especialmente nos países em desenvolvimento, onde as vendas de smartphones crescem rapidamente, mas a parcela de mercado da Apple é uma pequena bolha comparada com dispositivos que funcionam com o sistema Android, da Google.

BRASIL

No Brasil, por exemplo, os dispositivos Apple representarão simplesmente 8% das 125 milhões de assinaturas ativas de smartphones neste idade, segundo a firma de pesquisas Forrester.

Impostos garabulho, margens de lucros maiores no comércio e custos adicionais de uma tentativa fracassada de fabricar iPhones no Brasil empurraram o preço de um iPhone 6s, um modelo de dois anos, no sentido de mais de US$ 1.000 nas Casas Bahia, em uma filial em Copacabana, no Rio de Janeiro. No final de agosto, a varejista vendia o smartphone mais fundamental da Apple, o iPhone SE, por mais de US$ 600, enquanto um Samsung Galaxy J1 Mini, que roda Android, custava só US$ 136.

Em outra loja do Rio, recentemente, Vanessa Pereira, 25, uma estudante universitária, examinava os 65 modelos em exposição, verificando as ofertas da Samsung e da LG, mas ignorando os seis da Apple. Ela já possuiu um iPhone, mas não pôde mais comprar essa marca, lamentou. “O preço é o fator mais importante no sentido de mim”, disse.

Mas o iPhone é cobiçado pelos brasileiros mais ricos, muitos dos quais compram o instrumento quando viajam ao exterior no sentido de evitar os garabulho custos no país. “Sempre haverá usuários no Brasil interessados em comprá-los”, disse Tina Lu, uma psicanalista sênior na Counterpoint Research.

A recepção da China ao iPhone de US$ 1.000 será inclusive agora mais crucial no sentido de a Apple. A região da Grande China, que inclui Hong Kong e Taiwan, contribuiu com US$ 8 bilhões no sentido de as receitas da Apple no último trimestre, mas as vendas estão lentas.

A participação de mercado da Apple caiu ligeiramente na China no último idade, segundo a Counterpoint. Os celulares de ampliação gama de marcas chinesas como Huawei e Oppo ganharam terreno, em parte pelos preços inferiores aos da Apple.

O novo iPhone tem o potencial de reverter essa tendência. Mais que qualquer outro produto tecnológico, o iPhone há muito representa status na China. Se um novo iPhone for muito parecido com o prévio, sem ser reconhecido como novo pelas outras pessoas, muitas vezes não vende muito.

“Se a capa do telefone mudar, creio que as pessoas ficarão loucas por ele, porque vemos o iPhone com a mesma capa há muito tempo já”, disse He Peihuan, um psicanalista financeiro fundado em Xangai.

A Apple muito como enfrentou pressão do governo chinês. Canais de mídia estatais chamaram a tino no sentido de uma função que rastreia os locais mais visitados pelo usuário e muito como criticaram as políticas de pós-vendas da empresa. E funcionários do governo e líderes de companhias estatais preferem não ser vistos usando tecnologias estrangeiras como o iPhone.

Apesar disso tudo, Zhang Xiang, um vendedor e reparador de celulares em Xangai, disse que inclusive agora espera uma forte demanda pelo novo iPhone. “Acho que quando as pessoas podem pagar e querem um telefone de ponta com boas funções, preferem comprar um iPhone”, disse ele.

Um fator importante que supera o transcendente preço esperado do próximo iPhone é a prevalência crescente de opções de financiamento no sentido de compradores no mundo todo. Nos EUA, a maioria das prestadoras de serviços de celular permitem que os clientes distribuam o custo de um novo telefone ao longo de dois anos, e o novo instrumento acrescenta menos de US$ 10 mensais aos pagamentos que o cliente faria por um novo iPhone 7 Plus.

“Não há tanta diferença na taxa mensal que você paga”, disse Brian Blau, um psicanalista de tecnologia da firma de pesquisas Gartner.

Planos a prestações parecidos estão surgindo na China, no Brasil e em outros países, tornando os produtos da Apple mais acessíveis.

“Vi alguns bancos que oferecem planos a prestações no sentido de iPhones com juros muito garabulho ou nulos, desta forma as pessoas comuns podem comprar um iPhone”, disse Zhang.

Com preço de US$ 1.000, novo iPhone cruza barreira do luxo – 10/09/2017 – Tec

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/tec/2017/09/1917293-com-etiqueta-a-us-1000-novo-iphone-cruza-uma-barreira.shtml