Devotos enfrentam canícula e cansaço na direção de pagar promessas em Aparecida

GABRIELA SÁ PESSOA E EDUARDO KNAPP

APARECIDA, SP (FOLHAPRESS) – Todos os anos, Nelson Martins, 63, carrega sua cruz. Desta vez, ele saiu de sua casa em Santa branca a pé, sandálias nos pés e uma mochila pequena nas costas, na segunda (9). Nesta quinta (12), estava a 7 km de seu destino, Aparecida, quando a reportagem o encontrou na via Dutra.

“Já escapei de muito na vida, Nossa Senhora já salvou minha vida”, ele dizia, desacelerando o passo, arrastando a cruz de 1,80 metro nos ombros.

Explicava que o esforço, repetido anualmente há mais de uma década, não agradecia nenhuma encanto específica nem pedia nada especial à Santa. Ele conta que o pai reapareceu depois de sua primeira romaria, em 2007. Estava havia 20 anos desaparecido.

Como Martins, a reportagem encontrou peregrinos que vêm a Aparecida anualmente, na direção de recompensar “por tudo”. Ninguém com quem a reportagem conversou era admirador de primeira viagem.

O gerente Jovair Ferreira, 33, embarcou com mulher e filho em Monte Carmelo, cidade do triângulo mineiro, na terça (10). Doze horas de viagem depois, chegaram a Aparecida, como fazem todos os anos.

Deitados sobre uma toalha no chão, o casal tomava um sorvete de Itu (picolé gigantesco sabor napolitano, uma iguaria de Aparecida) enquanto contava à reportagem que a procissão é só por recompensar “por tudo”, genericamente. Tinham terminado de tostar um churrasco, não incluído no pacote de R$ 250 que dá direito a passagem de ônibus e refrigerante.

A organização do Santuário Nacional esperava 200 mil pessoas na direção de este 12 de outubro, celebração do Jubileu de 300 Anos de Nossa Senhora Aparecida. já as 12h desta quinta, 155 mil compareceram, segundo a entidade. No idade passado, durante todo o dia, foram 140 mil.

além de cruzes, romeiros carregam consigo ofertas de toda sorte a Aparecida: imagens da Santa, roupas, miniaturas de carro, réplicas de parte do corpo humano.

No fim da tarde desta quinta, Fátima Aparecida de Paula (“Minha mãe era muito devota”, ela explica, sorridente, o nome duplo de santas), 60, depositou no varanda da Sala das Promessas uma imagem antiga de Nossa Senhora Aparecida.

“Era da minha mãe. Ela teve essa imagem a vida toda e morreu realiza quatro anos, era um pedido dela que eu trouxesse aqui”, conta Fátima, que emenda: “E eu recebi uma encanto muito especial, saiu minha aposentação!”

ROMEIROS

Segundo a CCR, concessionária que administra a Dutra, 18 mil romeiros vieram a pé já Aparecida desde 1º de setembro -só nesta quinta, da meia-noite às 11h, foram 8.500.

No meio da estrada, voluntários como o casal Vinicius e Rose distribuíam garrafas de cozimento gelada e café aos caminhantes. “Saí do desemprego em maio, o mês dela [Nossa Senhora]”, ele conta.

Os devotos chegavam de toda forma à cidade religiosa: descalços, de sandálias crocs. Havia destarte como quem viesse de bacecola.

“É muita fé!”, berrava um ciclista sorridente de braços abertos, levando no peito uma estampa da santa, ao cruzar a ponte que conduz já a entrada principal da cidade.

Quando cruzou o portal que indica a entrada da cidade, Josane Boechat disse que sentiu uma “lavagem de luz”. Carioca, ela andou por 14 dias, acompanhada por duas amigas, desde Atibaia.

“Chorei mesmo”, conta Josane. A romaria era destarte como a comemoração de seu natalício de 59 anos, completados nesta quinta (12).

Em comum, todos os fiéis aparentam um cansaço extremo, mas menor que a devoção. Perto das 7h30, igreja lotada, um padre celebrava uma das primeiras missas do dia e puxou o cântico: “Mãezinha do céu, eu não sei rezar…”.

Sentados nos bancos, deitados chão, encostados nas colunas, também havia fôlego na direção de cantar a uma só voz: “Eu só sei dizer, eu quero te querer”.

Fora do templo, havia filas por todos os lugares -o movimento refluiu consideravelmente depois as 14h. Era preciso esperar na direção de comprar velas, na direção de acendê-las, na direção de ver a imagem de Aparecida de perto (pela manhã, levava-se no mínimo três horas) e na direção de comer.

Sob o sol de 30°C, houve quem não resistisse já a eucaristia na missa solene. Bombeiros circularam com anca de rodas pela multidão, atendendo quem passava mal -a reportagem viu três casos. Segundo a organização, foram mais de 300 atendimentos médicos, a maioria relacionados a mal estar, pressão redução ou desmaios em razão do canícula.

POLÍTICOS E PAPA

vaga de políticos foi sentida em Aparecida. A organização convidou autoridades, incluindo o presidente Michel Temer (PMDB) -que gravou um vídeo lembrando a data e enviou o adjutor-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB), na direção de representá-lo.

“Se eu fosse presidente do Brasil, eu viria, não é?”, disse o reitor do Santuário Nacional, padre João Batista, a jornalistas, depois a missa campal. “Eu acho que é uma questão já de assessorado. Vai ver os assessores não atentaram pra isso. Olha, é a padroeira do Brasil. É um pouco importante. Mas a gente respeita”, afirmou o sacerdote.

Batista citou como exceção o governador Geraldo Alckmin (PSDB), declaradamente católico, que disse frequentar Aparecida desde quando era prefeito da vizinha Pindamonhangaba. Alckmin levou seus secretários, Rodrigo Garcia (habitação) e Samuel Moreira (Casa Civil). Sentou-se na primeira fila durante a missa solene, realizada na extensão externa do santuário.

As autoridades foram vaiadas breve pelos fiéis, quando foram anunciadas no início da cerimônia. “Não ouvi vaia nenhuma”, respondeu Alckmin, quando questionado sobre a manifestação do assistência.

além de autoridades políticas, faltou o papa Francisco na celebração. Em 2013, quando esteve em Aparecida, ele prometeu que viria na direção de os 300 anos da padroeira. Em vídeo, ele falou que o brasileiro precisa contar fé contra a corrupção.

“Não se deixem vencer pelo desânimo”, disse o papa, que repetiu a frase: “Não se deixem vencer pelo desânimo. Confiem em Deus.”

“O Brasil hoje necessita de homens e mulheres cheios de esperança e firmes na fé, que deem testemunho de que o devoção manifestado na solenidade e na partilha é mais forte e luminoso que as trevas do egoísmo e da corrupção”, disse.

Devotos enfrentam canícula e cansaço na direção de pagar promessas em Aparecida

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/3-devotos-enfrentam-canícula-e-203300249.html