Em meio a crise política, base do governo Temer sofre baixas e ganha rachaduras – Notícias

Passadas mais de 30 horas após a divulgação das primeiras informações sobre a delação premiada dos donos da JBS, que levaram o STF (Supremo Tribunal Federal) a autorizar a introdução de inquérito contra o presidente Michel Temer (PMDB), a base do governo federal sofreu –oficialmente– duas baixas. PPS e Podemos (ex-PTN) anunciaram o rompimento com o Planalto. acolá disso, um ministro, do PPS, se demitiu por conta da repercussão das revelações.

No Congresso Nacional, onde Temer contou com maioria para aprovar projetos como a reforma trabalhista, na Câmara, e a PEC do teto de gastos, nas duas Casas, foram protocolados oito pedidos de impeachment desde a noite desta quarta (17). Um deles foi assinado por parlamentares do PSDB, que anunciou a permanência no governo até segunda ordem, depois de reuniões de avaliação de cenário.

O partido foi atingido em cheio pela delação e perdeu o presidente nacional, o senador Aécio Neves (MG), que se licenciou “para provar sua inocência”. Os quatro ministros tucanos foram pressionados por correligionários a entregar seus cargos, mas no fim do dia, foram orientados pelo presidente interino da sigla, senador Tasso Jereissati (CE), a se manterem em seus postos.

Com um ministro no governo Temer, o PSB já havia se manifestado contra as reformas da Previdência e trabalhista, duas das principais propostas do Planalto. Nesta quinta, no entanto, o presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira, pediu, em nota, que Fernando Coelho Filho, entregue o Ministério de Minas e Energia e volte a exercer o mandato de deputado federal pelo partido, o que não ocorreu até o fim do dia.

PPS – Rompimento

O PPS, que comandava dois ministérios, tem nove deputados federais e um senador, Cristovam Buarque (DF), anunciou a decisão de deixar o governo federal, “tendo em vista a divulgação do conteúdo da delação premiada de sócios da JBS envolvendo o presidente Michel Temer e a gravidade da denúncia”. O atualmente ex-ministro da Cultura, Roberto Freire, entregou o cargo na tarde desta quinta. Já o ministro da Defesa, Raul Jungmann, “irá permanecer na função pela relevância de sua área de atuação de segurança do Estado brasileiro neste momento de crise e indefinições”, segundo nota assinada pelo presidente da legenda, Davi Zaia. A bancada do partido na Casa passou a defender a renúncia de Temer.

Podemos (ex-PTN) – Desembarque

Com uma bancada de 13 deputados, o Podemos (novo nome do PTN) anunciou oficialmente o rompimento com o governo Temer e prometeu assumir posição de “independência” desde atualmente. Presidente da sigla, a deputada federal Renata Abreu (SP) disse que o partido deverá entregar todos os cargos que possui atualmente no governo federal, entre eles o da presidência da Funasa (Fundação Nacional de Saúde). A legenda ganhou o comando do órgão durante a votação da reforma trabalhista na Câmara, em abril, quando seus deputados ameaçaram votar contra a proposta.

PSB – “Perdeu legitimidade”

Em nota, acolá de pedir a saída do ministro Fernando Bezerra Coelho Filho, o presidente do PSB disse que a sigla não pode “aceder” que um de seus membros faça parte de um governo “antipopular que perdeu, por inteiro, sua legitimidade para governar o Brasil”. Ao todo, a bancada do partido no Congresso conta com 35 deputados e sete senadores.

PSDB – Ameaçou, mas ficou

Segundo partido com maior número de ministros no governo Temer – Cidades (Bruno Araújo); Secretaria de Governo (Antônio Imbassahy); Relações Exteriores (Aloysio Nunes); Direitos Humanos (Luislinda Valois) -, o PSDB até ameaçou desembarcar do Planalto, mas decidiu permanecer na base por conta de “sua responsabilidade com o país, que enfrenta uma crise econômica sem precedentes”. A posição, no entanto, foi anunciada “enquanto o partido, assim como o Brasil, aguarda a divulgação do conteúdo das gravações dos executivos da JBS”.

PP – Apoio às políticas do governo

Com dois ministérios –Saúde (Ricardo Barros) e lavoira (Blairo Maggi)–, o Partido Progressista se manifestou por meio de nota do presidente da sigla, o senador Ciro Nogueira (PI), que defendeu “um rápido esclarecimento dos fatos por parte da Justiça, para que o país volte o mais breve possível à normalidade e recupere sua estabilidade política e econômica”. “O PP reafirma o seu compromisso com o Brasil e acredita que as políticas adotadas pelo atual governo do presidente Michel Temer são necessárias para a retomada e consolidação do crescimento do nosso país”, diz o comunicado.

PR – Confiança em Temer renovada

Partido do ministro dos Transportes, Maurício Quintella, o PR divulgou nota assinada pela direção nacional da sigla. “Reiteramos a condição de partido da base governista no Congresso Nacional, na oportunidade em que renovamos a confiança no trabalho do presidente Michel Temer”.

PTB – “Reiteramos o apoio”

Com um representante na Esplanada dos Ministérios –Ronaldo Nogueira (Trabalho e Previdência Social) –, o PTB se posicionou por meio de comunicado do líder do partido na Câmara, Jovair Arantes (GO): “em nome da bancada do PTB na Câmara dos Deputados, reiteramos o apoio dos parlamentares do Partido Trabalhista Brasileiro ao governo do presidente Michel Temer”,

DEM – Dividido

Sigla do ministro da Educação, Mendonça Filho, o DEM se dividiu na reação às denúncias contra Temer. Para o líder do partido no Senado, Ronaldo Caiado (GO), o presidente fez a pior das opções para ele e para o país “ao insistir em permanecer no cargo mesmo admitindo o quadro já instalado de ingovernabilidade”. O senador pediu a renúncia de Temer, admitiu apoiar um processo de impeachment caso ele não renuncie e disse que o peemedebista “desafiou a crise”.

Na Câmara, por outro lado, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi um dos primeiros a se encontrar com Temer após a divulgação das denúncias e deve rejeitar todos os pedidos de introdução de processo de impeachment contra o presidente, segundo declarou o vice-líder do governo na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB-RS).

PMDB – Confiança

A bancada do PMDB da Câmara, em nota assinada pelo líder, o deputado Baleia Rossi (SP), declarou confiar na palavra de Temer. “No seu pronunciamento, o presidente defendeu a celeridade das investigações comandadas pelo Supremo Tribunal Federal e deixou claro que irá responder a todos os questionamentos. Neste momento, a Constituição Federal tem de ser nosso guia, a fim de garantir o funcionamento das instituições democráticas em favor do povo”, declarou.

O partido do presidente é o que tem mais ministérios, oito: Casa Civil (Eliseu Padilha); Secretaria Geral da Presidência da República (Moreira Franco); Turismo (Marx Beltrão); Planejamento (Dyogo Oliveira); Secretaria de Portos (Luiz Otávio Campos); Justiça e Cidadania (Osmar Serraglio); Integração Nacional (Helder Barbalho); Esporte (Leonardo Picciani); Desenvolvimento Social e campestre (Osmar Terra).

*

A reportagem não conseguiu contato com lideranças do PRB –que tem o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Marcos Pereira)–, do PV –Meio recinto (Sarney Filho)– e do PSD –Fazenda (Henrique Meirelles), Ciência, Tecnologia e Comunicações (Gilberto Kassab).

Em meio a crise política, base do governo Temer sofre baixas e ganha rachaduras – Notícias

Fonte

قالب وردپرس