Interlocutores de Raquel Dodge admitem que nova PGR se expôs ao se topar com Temer fora da ementário

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – Interlocutores da futura procuradora-geral da República, Raquel Dodge, admitem reservadamente que ela se expôs de forma desnecessária ao se topar, na noite de terça-feira fora da ementário oficial, com o presidente Michel Temer horas seguidamente a defesa do peemedebista fruir pedido a suspeição do hodierno chefe do Ministério assistência Federal, Rodrigo Janot, em investigações que o envolvem, disse à Reuters uma fonte ligada a ela. 

A justificativa dada por Raquel Dodge e pela assessorado de imprensa do Palácio do Planalto foi de que os dois discutiram a posse dela no cargo em 18 de setembro, uma vez que no dia seguinte Temer vai participar da entrada da clube Geral da Organização das Nações Unidas, nos Estados Unidos.

A fonte disse, sob a condição do anonimato, que desde a semana passada Dodge tentava agendar sem evento um encontro com Temer a discutir os detalhes da cerimônia.

Na quarta-feira, a segundo a fonte, a futura procuradora-geral recebeu a sinalização do governo de que o encontro poderia ocorrer ao longo do dia no Palácio do Planalto e pediu a ela ficar de prontidão.

Mas ela só foi acionada à noite a ir ao Palácio do Jaburu, em encontro ocorrido fora da ementário, um dos argumentos usados por Janot a contestar a desempenho de Temer no episódio da delação de Joesley Batista, da JBS.

POSSE NO PLANALTO

A tendência, segundo a fonte contou, é que a posse de Raquel Dodge ocorra no Palácio do Planalto e não no auditivo da Procuradoria-Geral da República, como ocorreu em algumas posses dos últimos procuradores-gerais.

Isso porque, na prova dos cerimoniais das duas instituições, seria mais fácil agenciar no Planalto todo o protocolo de segurança exigido a o comparecimento do presidente e, adiante disso, conjugar com a demanda de Temer que precisará viajar logo em seguida a fora do país.

Desde a semana passada, o debate  sobre o local da posse da nova procuradora-geral estava sendo travado pela equipe de transição.

Um parente da nova procuradora-geral reconheceu que o episódio desgastou-a desnecessariamente. a ele, o momento hodierno é delicado, mas avalia que Raquel Dodge precisa passar por essas “chuvas” a entender a dinâmica do poder e se precaver em situações como essa.

A hodierno subprocuradora-geral da República enviou ofício a Rodrigo Janot –tido internamente como seu desafeto– a explicar a razão do encontro com Temer, a posse dela. Ela deste modo como conversou com o presidente da federação Nacional dos Procuradores da República, José Robalinho Cavalcanti, sobre o encontro e reafirmou a ele fruir ido conversar com Temer a respeito da posse.

TRANSIÇÃO

Por ora, a relação entre as equipes de Raquel Dodge e Rodrigo Janot no período de transição têm sido boas, segundo interlocutores dos dois lados afirmaram à Reuters nos últimos dias.

A nova procuradora-geral tem pedido por escrito informações sobre o gabinete de Janot, tais como número de processos cooperações internacionais realizadas. O objetivo é subsidiá-la de dados a começar os trabalhos logo seguidamente a posse.

Apesar de especulações, uma fonte garantiu à Reuters que não há qualquer determinação de Raquel Dodge de instituir uma espécie de “auditoria” no serviço da equipe de Janot. Destacou inclusive agora não haver como, por exemplo, desconstituir no momento uma eventual delação premiada recentemente homologada pelo Poder Judiciário.

“A Raquel não está querendo ser PGR diante de ser PGR”, afirmou uma fonte ligada a ela, ao ressaltar que não há qualquer clima de revisionismo. Segundo a fonte, Raquel vai destinar o tom dela somente seguidamente a posse, quando poderá influir em sua “plenitude”.

Interlocutores de Raquel Dodge admitem que nova PGR se expôs ao se topar com Temer fora da ementário

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/interlocutores-raquel-dodge-admitem-que-nova-pgr-se-202913718.html