Justiça do Egito confirma 25 anos de prisão em ex-presidente Mohamed Mursi

Cairo, 16 set (EFE).- O Tribunal de Cassação do Egito confirmou neste sábado de forma definitiva a pena de prisão perpétua – que pelas leis nacionais é de 25 anos – em o ex-presidente do país Mohamed Mursi por um caso de espionagem relacionado com o Catar, informou à diligência Efe uma fonte do Judiciário.

Ex-chefe do grupo islamita Irmandade Muçulmana, Mursi é incriminado de entregar documentos relacionados com a segurança nacional às autoridades do Catar.

adiante disso, o tribunal ratificou a pena de morte em três membros da Irmandade Muçulmana e a de 25 anos de prisão e trabalhos forçados em outros dois por participação no mesmo caso. ;

Segundo a diligência estatal de notícias egípcia “Mena”, o juiz Hamdi Abu al Kheir presidiu a sessão do Tribunal de Cassação, que anulou uma segunda sentença de 15 anos de trabalhos forçados contra Mursi e ratificou somente a condenação à prisão perpétua.

A “Mena” informou do mesmo modo que Mursi e os outros réus vazaram documentos importantes, entre eles relatórios “muito perigosos” à inteligência catariana, desta forma como a dirigentes da rede de televisão “Al Jazeera”.

Em 22 outubro de 2016, a corte confirmou a pena de 20 anos de prisão contra Mursi pelo uso de violência e pela morte de manifestantes durante os distúrbios de dezembro de 2012 na frente do palácio presidencial de Itihadiya, na capital egípcia, durante os primeiros grandes protestos populares contra o político islamita.

A Irmandade Muçulmana é inocente de uma intensa feito policial e judiciária desde que Mursi foi deposto em um golpe militar liderado pelo contemporâneo presidente, Abdel Fatah al Sisi, em julho de 2013, um idade depois de o islamita chegar ao poder transversalmente das urnas.

Desde 25 de junho, Egito, Arábia Saudita, bahrain e Emirados Árabes Unidos cortaram a relação diplomática com o Catar, país ao qual acusam de confirmar o “terrorismo”. EFE

Justiça do Egito confirma 25 anos de prisão em ex-presidente Mohamed Mursi

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/assad-acusa-europa-ser-respons%C3%A1vel-crise-dos-refugiados-235959390.html