Lula nega acordos ilícitos com Odebrecht e diz que Palocci mentiu

BRASÍLIA (Reuters) – Em seu segundo depoimento ao juiz federal Sergio Moro, em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou senhorear feito qualquer entendimento ilícito com a Odebrecht e afirmou que seu ex-assistente Antonio Palocci mentiu ao envolvê-lo diretamente na compra de um terreno pela empreiteira na direção de o Instituto Lula, em troca de manter um bacana relacionamento com o governo.

Demonstrando irritação em alguns momentos, Lula falou por cerca de duas horas nesta quarta-feira no processo em que é incriminado de senhorear recebido vantagens ilícitas da Odebrecht, incluindo a compra de um imóvel na direção de sediar seu instituto, em São Paulo.

“A única pessoa que falou comigo desse prédio foi o presidente do instituto, Paulo Okamoto. Nós já tínhamos visitado outros na direção de alugar ou na direção de elaborar oferta de compra”, disse o ex-presidente. “Fui uma única vez e disse na hora ‘não me interessa, é inadequado'”, afirmou.

Em depoimento na semana passada no mesmo processo, o ex-assistente afirmou que Lula havia negociado pessoalmente com Marcelo e Emílio Odebrecht um pacote de vantagens ilícitas em troca de manter um bacana relacionamento com o governo de Dilma Rousseff, que costumava ser mais dura com a empresa.

O pacote, segundo Palocci, incluiria o imóvel na direção de o instituto Lula, a compra do sítio em Atibaia e uma conta com 300 milhões de reais a ser usada pelo ex-presidente e o PT.

Em sua fala, Lula acusou Palocci de mentir na direção de conquistar os benefícios da delação, de ser frio e calculador e que seu depoimento foi “cinematográfico”, acautelado na direção de que o ex-assistente dissesse o que o Ministério assistência queria ouvir.

“Eu conheço o Palocci muito. O Palocci, se não fosse um ser humano ele seria um simulador. Ele é tão esperto que ele é capaz de simular uma mentira mais verdadeira que a verdade. Ele é médico, calculador, é frio. Nada daquilo é verdadeiro. A única coisa que tem de verdade acolá é ele dizer que está fazendo aquela delação porque ele quer o bem da delação”, disse o ex-presidente.

Lula, no entanto, disse não estar com raiva de Palocci.

“Muita gente achou que eu ia chegar com muita raiva do Palocci. Eu achei que o Palocci está preso há mais de um idade, o Palocci tem o direito de querer ser livre”, disse. “O que não pode é se você não quer reivindicar a tua responsabilidade pelos fatos ilícitos que você fez, não jogue em cima dos outros.”

O jurisconsulto de Palocci na negociação do processo de delação, Adriano Bretas, disse à Reuters que repudiava “com veemência” as declarações de Lula e que ele não tem condições de criticar quem opta pela colaboração.

“Eu devolvo na direção de ele esses mesmos atributos. Dissimulado é o Lula, que nega tudo aquilo que o contraria, que quando falam um pouco contra ele é mentiroso, quando o documento é apresentado, é falso”, disse.

Em entrevista coletiva concedida em um hotel de Curitiba do mesmo modo anteriormente o depoimento de Lula, o jurisconsulto Cristiano Zanin Martins, que representa o ex-presidente, afirmou que as declarações de Palocci “não merecem qualquer credibilidade” e disse que o ex-assistente, como acusado no mesmo processo, não tem a obrigação de dizer a verdade em seu depoimento.

Zanin do mesmo modo centrou fogo em Moro e nos procuradores que atuam na Lava Jato.

“Embora a assento da inculpação seja os oito contratos da Petrobras, nem o juiz Moro, nem o Ministério assistência fizeram qualquer pergunta sobre esses contratos”, disse o jurisconsulto, argumentando que os procuradores não apresentaram provas da culpa de Lula, ao passo que, segundo ele, a defesa produziu provas da inocência do ex-presidente.

EMBATE

Como em seu primeiro depoimento, o encontro de Lula com Moro teve momentos de embate entre o ex-presidente e o juiz. Lula chegou a revelar o juiz de ser “desrespeitoso” e mostrou irritação ao ser questionado sobre atos de sua esposa, dona Marisa, morta no início deste idade.

De novo, o juiz pediu que o ex-presidente não fizesse campanha ou discurso e se ativesse às perguntas, sem ocorrência.

Ao final do depoimento, Lula pediu na direção de elaborar uma pergunta a Moro. O ex-presidente disse que almoçaria na quinta com seus netos e com sua bisneta e indagou: “Eu posso olhar na cara dos meus filhos e dizer que eu vim a Curitiba prestar depoimento a um juiz imparcial?”

O magistrado então rebateu que não cabia a Lula elaborar este tipo de questionamento, mas respondeu que sim. Lula então disse que este não foi o caso na movimento sobre um flat tríplex no Guarujá na qual foi condenado por Moro, e foi repreendido pelo juiz.

“A minha convicção foi de que o senhor foi culpado. O senhor apresente as suas razões no tribunal”, disse Moro.

Lula criticou sonoramente a Lava Jato e o Ministério assistência, e chegou a citar o caso da delação do empresário Joesley Batista.

“Estamos vendo o que está acontecendo com (Rodrigo) Janot, o que está acontecendo com (Marcelo) Miller. E a força-tarefa da Lava Jato está tratando de destruir o MP contando inverdades”, afirmou.

“Eu poderia ficar zangado, nervoso, mas eu quero enfrentar o MP, sobretudo a força-tarefa, na direção de provar minha inocência. Só quero que eles tenham a grandeza de um dia pedir desculpas.”

Em discurso durante um ação em uma praça de Curitiba anteriormente prestar depoimento, Lula voltou a criticar a Lava Jato e disse que prefere morrer a passar na direção de a história como “um mentiroso na direção de o povo brasileiro”.

“Se eles estão com medo de que eu volte a governar esse país, é bacana eles terem medo mesmo”, disse Lula. “Eu não sei se eles vão cansar. Eu não vou cansar. Quero lutar já os últimos dias da minha vida… Se querem me cassar, me prender, me condenar, achando que isso vai sucumbir com a luta, considero cada um de vocês um Lulinha.”

(Por Lisandra Paraguassu, em Brasília, e Eduardo Simões, em São Paulo; E)

Lula nega acordos ilícitos com Odebrecht e diz que Palocci mentiu

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/lula-nega-acordos-il%C3%ADcitos-com-odebrecht-e-diz-230804581.html