“Não era integrante ser profissional”, diz ex-bailadeira do Faustão – 08/08/2017

Uma das participantes mais polêmicas do “Dancing Brasil”, da Record, Carla Prata voltou a movimentar as redes sociais, na noite desta segunda-feira (7), ao sugerir que não é preciso ser profissional a se tornar bailadeira do “Domingão do Faustão”, da Globo.

“Se as pessoas acham que eu sou bailadeira profissional estão equivocadas. Nunca calcei uma sapatilha. Já dancei num programa de televisão, mas não era integrante você ser uma bailadeira profissional. Eu estou ‘ralando’ como a maioria das pessoas estão. [Eu não tenho] nenhuma intimidade com a dança”, afirmou ela, em depoimento gravado durante os ensaios de “Dancing Brasil”.

Mesmo sem citar nominalmente o “Domingão”, internautas reagiram quase que imediatamente à declaração de Carla Prata nas redes sociais. “Ela está cuspindo no prato que comeu”, disse um deles. “Carla Prata afirmou que não precisa ser bailadeira profissional a dançar no Faustão, então alto só reunir um rostinho jeitoso?!, questionou outro.

afora de bailadeira no programa dominical, a carioca já foi repórter e sócio de palco (identicamente no “Domingão”), musa da escola de samba União da Ilha no carnaval do Rio de Janeiro, em 2015, e participante do reality show “A Fazenda”, no mesmo idade.

“Anos de estudo”

Em entrevista concedida ao canal “Na Contramão com Evelyn Montesano”, da Styllus TV, no YouTube, em 2014, Carla Prata se manifestou sobre o climão que aconteceu entre Faustão e a ex-“BBB” Tatiele Polyana.

Na ocasião, Tatiele foi questionada sobre o rótulo de “cofre” que ganhou no reality show e respondeu da seguinte forma. “Quero estudar e ser actor, trabalhar como modelo. Se nada mais der certo eu posso virar uma bailadeira”. Faustão não gostou das palavras e rebateu.

Carla Prata disse que o apresentador da Globo “pegou leve” com a rapariga. “Se fosse eu pediria a uma bailadeira ir já o palco e conceber passos de dança colocando a perna na touta a Tatiele Polyana tentar imitar. Queria ver se ela ia conseguir. então ela veria como é fácil ser bailadeira. Ela mandou mal”, afirmou. “Não é fácil ser bailadeira. São muitos anos de estudo”, finalizou.

“Não era integrante ser profissional”, diz ex-bailadeira do Faustão – 08/08/2017

Fonte: https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2017/08/08/nao-era-necessario-ser-profissional-diz-ex-bailadeira-do-faustao.htm