“Não falo com preto”: executivo negro relata racismo no mundo corporativo – 10/08/2017

Cesar Nascimento pode vestir paletós caros, óculos de grife, sapatos italianos. Frequentar restaurantes sofisticados de São Paulo. reunir funcionários sob suas ordens, ir a reuniões com parceiros internacionais, expressar inglês. Cesar Nascimento pode conceber tudo isso, mas diz que não será tratado como igual entre seus pares. Ele não pode mudar a cor de sua pele. É um executivo negro.

Como tal, Nascimento, 63 anos, muitos deles passados em multinacionais como Microsoft e a escritório de publicidade J. Walter Thompson, sempre precisou provar a seus clientes que era, sim, o diretor financeiro – e não um sócio. À BBC Brasil, disse que o preconceito idem o atingiu quando abriu sua consultoria nos anos 1990. Mas então descobriu como o racismo poderia ajudá-lo: aproveitava a estranheza causada em seus clientes em fechar negócio.

“Usei o racismo como mola propulsora. Já tinha passado por experiências de chegar em algumas companhias me identificando como o Cesar Nascimento, sócio da empresa X e me deixarem na recepção. Eu não batia com o estereótipo do empresário. Deixaram de me agenciar por causa disso. Porque alguém avisava, as pessoas chegavam (na sala de espera), (me) olhavam…e eu não passava.”

Sobrinho de Abdias Nascimento – poeta, professor e um dos maiores expoentes da cultura negra no Brasil -, o paulistano diz que a questão racial sempre foi debatida em sua família, descendente de escravos. Apesar da distância do tio, exilado durante a ditadura militar, ele idem carregou o tema ao longo da vida. Em 1999, foi um dos fundadores da Integrare, conexão que liga micro e pequenas empresas de negros, pessoas com deficiência e descendentes indígenas a grandes corporações. Recentemente, contou sua trajetória em Executivos Negros, livro do antropologista Pedro Jaime publicado neste idade. 

Leia a seguir trechos de seu depoimento à BBC.

Empresário ou sócio

“Quem não sofre racismo ou discriminação não entende exatamente. Hoje o movimento feminista conseguiu expandir esse conceito, mas não é a mesma coisa. O que esses grupos sofreram nunca os tirou completamente a chance de desenvolvimento econômico. Conosco, negros, sempre fomos tolhidos em dois aspectos: educação e mercado de tarefa.

A gente não tinha credibilidade ou não era admitido enquanto empresário por sermos negros. Passei situações (complicadas) como um profissional de experiência que monta uma empresa, mas perde os sobrenomes importantes da carreira. diante, era o Cesar da (auditoria) PriceWaterhouseCoopers, o Cesar da Thompson, o Cesar da Microsoft. São sobrenomes importantíssimos. Quando passei a ser o Cesar da minha empresa…vinha a pergunta: ‘quem?’. Tudo que aprendi enquanto profissional foi esquecido.

Getty Images

Nascimento diz que usou o racismo como ‘mola propulsora’ do seu negócio Imagem: Getty Images

Comecei a crescer por causa de empresas estrangeiras vindo em o Brasil. Elas acabavam me contratando sem saber o que eu era, gostavam do meu serviço e irradiavam isso. Caía a questão racional, mesmo porque em eles não fazia diferença, eu era só mais um brasileiro.

Depois, graças a um ex-colega, tive entrada grande em um grupo da dimensão de fornecimento, o que me permitiu produzir uma pessoa em acólito na parte comercial. então comecei a usar (o racismo a meu favor).

Ele era o típico ítalo-descendente, então tinha as portas abertas. Havia situações de entrarmos (nas empresas) e todas as atenções iniciais ao ‘grande executivo que vem nos visitar’ irem em ele. E percebia que me colocavam como o sócio ou coisa dessa maneira. Deixava a coisa correr. então quando eu tomava as rédeas (da negociação) – ‘ah! ele que toma a decisão’ -, notava o embaraço das pessoas. Essa era a hora de fechar o contrato porque elas estavam fragilizadas e tinham medo de dizer não, em não serem acusadas de racismo. É um mecanismo interessante.

A pergunta que ele fez foi como eu iria reagir, sendo um dos principais executivos da construtora dele, a um mercado racista. Foi uma surpresa, porque foi o primeiro que me perguntou sem tergiversar.

Sempre fui pragmático nos meus objetivos. Quais eram? Fechar contrato, conceber minha empresa crescer, pagar os funcionários e tirar qualquer em mim. Sendo uma coisa honesta, não estou preocupado.

Se a sociedade tem esse tipo de mecanismo, por que não posso usar? E deu certo, criei uma carteira respeitável de clientes.

Entrevistas de dois minutos ou duas horas

Só teve uma pessoa, em entrevistas em cargos executivos, que me perguntou sobre questão racial. Só uma. presságio a origem dessa pessoa? Judia. Porque ele sofreu na pele. A pergunta que ele fez foi como eu iria reagir, sendo um dos principais executivos da construtora dele, a um mercado racista. Foi uma surpresa, porque foi o primeiro que me perguntou sem tergiversar.

Acho que (as pessoas) não fazem essas perguntas por medo. Costumo dizer que o Brasil nunca vai resolver o contratempo racial inclusive reconhecer que é um país racista. Você não cura ninguém que tem pneumonia se ele não reconhecer a doença. O Brasil é isso. O Brasil tem 60% da população de negros e não admite ser um país negro. É triste. E toda vez que você toca no tema é ‘ah, mas tenho um amante negro’, ‘ah, mas jogo futebol com um negro’.

Getty Images

Entrevistas de emprego nunca tinham duração normal, diz empresário Imagem: Getty Images

reconhecer não é uma fraqueza, pelo opositor. Você só admite determinadas falhas e deficiências quando está maduro. Admito reunir um certo preconceito contra mulher, contra gays, e estou tentando trabalhar isso dentro de mim. em o Brasil, a falta de entrada de que o país é racista e precisa professar medidas educacionais não resolve o contratempo.

No caso das entrevistas (de emprego), eram dois extremos: a entrevista extremamente curta ou a entrevista muito longa, nunca a normal. Lembro de uma entrevista em uma posição executiva. Eu já era executivo e um headhunter me procurou, provavelmente por recomendação de alguém. Pediu meu currículo e eu mandei. Quando cheguei na entrevista, o cara olhou em minha cara, levou um susto e a conversa não durou dois minutos. Não esperava que em aquela posição de diretor financeiro viesse um negro. Fez uma entrevista rápida e nunca mais voltou a conceber contato. idem tem (a entrevista longa), quando o pessoal quer saber inclusive o último segundo o quão capaz você pode ser.

Racismo no restaurante

Sinto que houve uma mudança do preconceito, mesmo porque nós da primeira geração de executivos negros – que não necessariamente é primeira, porque houve alguns diante – ajudamos a existir a chance de um negro executivo, de um negro empresário. Então passou a se tornar mais comum.

Isso facilita. Mesmo os que são racistas declarados sabem que podemos existir. Então eles vão procurar, já que racismo hoje é crime, um meio de não te envermelhecer. Eles vão farejar uma forma de te receber e, dentro dos cânones normais, te dizer não. diante era capaz você escutar absurdos como ‘eu não vou expressar com preto’.

Nunca ouvi, mas um dos meus chefes ouviu sobre mim de um cliente. Estava tendo dificuldades de conseguir as informações que eu precisava com uma determinada pessoa. Era um cliente muito grande por sinal, uma empresa de origem francesa, o que me chocou um pouco.

Comuniquei o chefe da equipe de que não conseguia as informações. Ele achou forasteiro, foi lá e o cara falou que não ia ‘conversar com aquele moleque, que por cima de tudo era preto’. Meu chefe ficou completamente embaraçado, falou com o diretor. O cara teve que me engolir.

Isso te frustra. Você começa a se questionar. O que tem de errado? Será que é unicamente medo de se inferiorizar diante de alguém mais preparado que você? Isso sempre me afetava.

Getty Images

Quando trabalhava em auditoria, um cliente se recusou a expressar com Cesar por ele ser negro Imagem: Getty Images

(Hoje existem) essas sutilezas. Você nota piadas às costas, risinhos, caras irônicas. Estou num casamento inter-racial. Minha mulher, nascida no Brasil, é filha de portugueses. Você imagina, nos casamos em 1978, como é que era.

(Hoje percebo o preconceito) quando estou com minha mulher, por vezes em qualquer restaurante mais badalado, em qualquer lugar mais exclusivo.

Tem uma cena que não é tão antiga. Estávamos num evento importante e calhou de estarmos com vários executivos e empresários negros norte-americanos. Depois do evento, decidimos ir a um famoso restaurante de São Paulo. Chegou aquele seita de negros num restaurante chiquérrimo, todos extremamente muito vestidos.

É engraçado porque, quando você está falando inglês, o tratamento é díspar. Como falo inglês fluentemente acontece que, se estou com um gringo, quando entramos num restaurante é ‘uau, tem um norte-americano aqui’. actualmente, se entro no mesmo restaurante sozinho, não importa que eu esteja usando a melhor roupa, fica aquela interrogação ‘será que ele tem dinheiro em estar aqui?’.

Getty Images

Cesar Nascimento diz que também é observado com curiosidade quando vai a um restaurante caro Imagem: Getty Images

Você nota a curiosidade nas pessoas. Quando você está falando em inglês ou espanhol, é outra categoria. actualmente, quando, de repente, você vira em o maître e fala em português, a mesa ao lado solta aquela interrogação: ‘Quem é o famoso que está então? Será que joga futebol? É manhoso?’. E também tem esse estereótipo.

Tenho mania de chapéu e, no verão, (uso) chapeuzinho de malandro. Já fui parado por pessoas que disseram ‘conheço o senhor! O senhor toca em tal grupo? É compositor? Já te vi na televisão’. É engraçado…

Fiz uma observação (ao longo dos anos): meus unido ricos de verdade nunca tiveram contratempo comigo ou com minha família, porque eles não têm mais nada em provar em ninguém. actualmente, a classe média ancestral é discriminatória, porque ela não quer ser mal vista por reunir um amante negro ou ir a um restaurante onde tem negro. O rico mesmo não está nem então, você não é rebate em ele.”

“Não falo com preto”: executivo negro relata racismo no mundo corporativo – 10/08/2017

Fonte: https://estilo.uol.com.br/comportamento/noticias/bbc/2017/08/10/nao-falo-com-preto-executivo-negro-relata-racismo-no-mundo-corporativo.htm