pau-brasil se torna destino na direção de refugiados; número de solicitações de refúgio aumentaram 2.868% entre 2010 e 2015

Segundo o Comitê Nacional na direção de os Refugiados (Conare), há pelo menos 8,8 mil exilados reconhecidos no país (28,2% são mulheres e 18%, crianças e adolescentes). Outras mais de 25 mil solicitações estão pendentes. Essas pessoas abandonaram seus lares, muitas vezes simplesmente com a roupa do corpo, fugindo de guerras, perseguição política e violência de diversos tipos. Deixaram seus familiares, unido, pertences e sua história na direção de trás na luta pela sobrevivência.

O número de refugiados por aqui parece pouco em comparação com o total de pessoas no mundo que estão na mesma circunstância, 65,3 milhões, equivalente à população do Reino Unido, segundo a Acnur, sucursal das Nações Unidas. Mas as solicitações de refúgio aumentaram 2.868% entre 2010 e 2015, sendo a maioria dos pedidos proveniente da proeza, Ásia (inclusive Oriente Médio) e o Caribe.

Das 79 nacionalidades distintas que estão no país, os principais grupos são compostos por nacionais da Síria (2.298), Angola (1.420), Colômbia (1.100), República Democrática do Congo (968) e Palestina (376).

similarmente estão no pau-brasil cerca de 80 mil imigrantes haitianos que foram formalizados com a concessão de visto humanitário. O Conselho Nacional de Imigração (CNIg) vem prorrogando a emissão do visto, em vigor desde janeiro de 2012, devido ao irritação das condições de vida da população haitiana em decorrência do terremoto ocorrido no país em 2010. A concessão expira em outubro deste idade.

deste modo como qualquer cidadão, os exilados buscam emprego na direção de se sustentar. A maior parte deles ​tem formação universitária, de contrato com o projeto Estou Refugiado e o Programa de esteio na direção de a Recolocação dos Refugiados (PARR), que de seus 1,5 mil currículos cadastrados, sequer 85% são de profissionais como médicos, advogados, engenheiros, enfermeiros e administradores. Alguns, com pós-graduação e ainda mestrado. Entretanto, mesmo sendo considerada mão de obra qualificada, quesito que inclusive o pau-brasil tem déficit, eles têm dificuldades de esbarrar emprego por causa do idioma, da burocracia da documentação e da validação do diploma.

De contrato com Vinicius Paris, gestor voluntário do PARR, um dos setores mais receptivos é o hoteleiro, já que muitos falam mais de duas línguas. “Contratar um refugiado traz benefícios na direção de ambos os lados, devido à troca de experiência cultural. É muito importante a desmistificação do tema. Hoje, as empresas estão abrindo mais as portas na direção de esses profissionais que tem um subido nível educacional e profissional”, afirma.

A empresária Luciana Capobianco, uma das fundadoras do projeto Estou Refugiado, concorda. “É enriquecedor na direção de o recinto de serviço incentivar a diversidade de pessoas, de culturas, de línguas. Levar esse olhar diferenciado de outro país e criar essa integração com os funcionários é suficientemente legal. lá disso, os refugiados estão motivados em criar ceder certo, vestem a camisa da empresa, são funcionários dedicados”.

É o que pôde constatar Felipe Hegg, sócio-fundador da Galeria Lume. Ele contratou Hervé, refugiado do Congo, há cerca de três meses, e está satisfeito com a experiência. “É um funcionário pontual, caprichoso e com vontade de sempre criar mais e melhor. Existe uma dificuldade de idioma, mas com o esteio de algumas pessoas que falam francês e do tradutor online, conseguimos explicar tudo o que precisamos e similarmente ceder boas risadas. Sentimos que todos nós fazemos parte desta história, como se fossemos padrinhos dele”.

Preconceito

Luciana conta que eventualmente ouve relatos de preconceito vivido pelos refugiados devido à circunstância deles no país, principalmente por parte dos africanos. Em um experimento social com um congolês, ele se cadastrou em uma rede social de relacionamentos se descrevendo como “estrangeiro com formação superior, que fala cinco línguas”. Em uma semana, conseguiu mais de 30 matches (interessadas no perfil dele). Depois, incluiu a palavra “refugiado” e no mesmo período de tempo conseguiu simplesmente três matches. As reações aos dois perfis – radicalmente diferentes – foram transformadas em vídeo que foi publicado no YouTube.

Contudo, no geral, os brasileiros são considerados acolhedores. A chef de cozinha Basma Elhalabi, refugiada do Marrocos, diz que se surpreendeu com a simpatia e o quanto as pessoas por aqui parecem felizes e fazem festa “por qualquer motivo e em qualquer dia da semana”. Outra coisa que a deixou impressionada é a diversidade do país, que tem em seu DNA a imigração. Ela atribui o caso das comidas estrangeiras a esta começo na direção de outras culturas e a curiosidade em experimentar novos sabores.

na direção de Felipe, é importante lembrar que há muitas minorias que merecem provimento e oportunidade de serviço, mas o tema dos refugiados é dos assuntos mais tristes da contemporaneidade. “Aquele que foge de seu país, abandona serviço, unido e família só o realiza porque realmente não vê outra solução. ceder uma oportunidade na direção de essas pessoas é ceder uma oportunidade na direção de um mundo mais justo e humano”, afirma.

esteio

O projeto Estou Refugiado e o PARR auxiliam os exilados na cata pelo emprego e em outras questões de forma gratuita. Quem quiser colaborar com a causa pode socorrer compartilhando os currículos. As empresas similarmente podem entrar em contato na direção de oferecer suas vagas disponíveis.

O site conectados.cc similarmente é outra opção na direção de se engajar ao tema. Ele tem uma lista de refugiados que oferecem aulas de culinária, artesanato, idiomas, música, dança e moda. Os serviços podem ser contratados entrando em contato diretamente com os ofertantes.

pau-brasil se torna destino na direção de refugiados; número de solicitações de refúgio aumentaram 2.868% entre 2010 e 2015

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/pau-brasil-se-torna-destino-na direção de-refugiados-numero-de-solicitacoes-de-refúgio-aumentaram-2-868-entre-2010-e-2015-175555482.html