polícia evita chamar morte de muçulmana de crime de ódio; suspeito foi detido

A rapaz Nabra Hassanen, uma muçulmana de 17 anos, foi morta no domingo (18) depois senhorear sido sequestrada na frente de uma mesquita perto de Washington.

A Polícia preferiu perfilhar a cautela inclusive o momento, sem classificar o episódio como um “crime racista”. Um rapaz foi detido como suspeito pelo homicídio de Nabra, que teria sido espancada inclusive a morte.

Cometido pouco diante de outro investida próximo a uma mesquita de Londres, o crime causou grande indignação na comunidade muçulmana local.

“Estamos desolados e com o coração partido”, declararam, em nota, representantes da mesquita All Dulles Area Muslim Society, de Sterling, na Virgínia.

“É hora de nos unirmos, de orarmos e cuidarmos dos nossos jovens”, acrescenta o comunicado, divulgado a poucos dias do fim do mês do Ramadã.

Nabra caminhava com unido depois das orações noturnas do Ramadã na madrugada de domingo, quando o grupo foi abeirado por um motorista em frente a essa mesquita, localizada no subúrbio da capital americana.

À achegamento, seguiu-se uma discussão, e um homem saiu do carro com um varapau de basebol, relataram alguns fiéis da mesquita. Os jovens correram no sentido de se resguardar no templo e logo se deram conta da inexistência de Nabra.

Depois de várias horas de cata, o corpo de uma rapaz – o de Nabra, muito provavelmente – foi encontrado às 15h locais de domingo em um lago da cidade, informou a Polícia do condado de Fairfax, na Virgínia.

Darwin Martinez Torres, de 22 anos, morador de Sterling, que “dirigia de modo suspeito” perto de onde a Polícia encontrou o corpo, foi detido e denunciado do homicídio da rapaz.

O porta-voz da Polícia de Fairfax, Don Gotthardt, descartou – por enquanto – que se trate de um crime de ódio, o que é considerado um agravante nos Estados Unidos. Segundo o oficial, “não há qualquer dado de vínculos entre a religião da vítima e o crime”.

O episódio acontece depois de uma série de incidentes letais contra muçulmanos na América do Norte.

No mês passado, dois homens foram esfaqueados inclusive a morte em Portland, no Oregon (noroeste dos EUA), quando tentaram conter um homem que lançava insultos islamofóbicos a duas adolescentes. Uma delas usava véu. Em outro caso, seis fiéis muçulmanos foram abatidos em janeiro, em Québec, no Canadá, durante um investida contra uma mesquita.

polícia evita chamar morte de muçulmana de crime de ódio; suspeito foi detido

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/eua-pol%C3%ADcia-evita-chamar-morte-mu%C3%A7ulmana-crime-%C3%B3dio-203410466.html