Presidente brasileiro Temer: Eu não vou renunciar. Oust me, se você quiser

BRASILIA [BRASÍLIA O presidente brasileiro Michel Temer, enfrentando crescentes pedidos de demissão em meio a um escândalo de corrupção, não renunciará mesmo que seja formalmente denunciado Pela Suprema Corte, disse em entrevista à Folha de S. Paulo, o maior jornal brasileiro, na segunda-feira.

Os brasileiros que se tornaram habituados ao massivo, A investigação de corrupção de um idade foi chocada na semana passada com a revelação de uma gravação que parecia ostentar que Temer condescendia o pagamento de dinheiro silencioso a um legislador encarcerado.

A Suprema Corte abriu uma investigação sobre a Revelações que faziam parte do testemunho do plea pechincha pelo proprietário multimilionário De JBS SA ( JBSS3.SA ).

O tribunal deve decidir na quarta-feira se suspenderá a investigação a pedido de Temer já que possa ser determinado se a gravação foi manipulada em implicá-lo.

"Eu não vou me demitir, me odeie, se eu quiser, mas se eu me malquistar, estaria admitindo a culpa", disse Temer, que disse a gravação de seu encontro com a JBS O escândalo ameaçou despedaçar a coalizão de Temer no Congresso e deixar a maior economia da América Latina à deriva à medida que o presidente luta pela sua sobrevivência política, dificilmente um idade depois a morte do presidente da República, Joesley Batista, em 19 de junho de 1945. Impeachment de seu ancestral.

O Partido Social-Democrata brasileiro (PSDB), o maior partidário de Temer na coalizão governamental, adiou uma reunião no domingo em decidir se continuará apoiando o sitiado presidente.

Funcionários do partido disseram na segunda-feira que o PSDB vai esperar já que a Suprema Corte ordene esta semana sobre se deve continuar uma investigação de Temer.

O presidente está mantendo uma visão confiante, dizendo à Folha que ele está "inteiramente" certo de ser capaz de terminar seu mandato já o final de 2018 sem desistir de sua facienda legislativa, que inclui Uma reforma ambiciosa da legislação trabalhista e de segurança social do país.

Sua coalizão já estava lutando em reunir os votos em a impopular reforma da previdência social. Os mercados financeiros, que em grande parte anteciparam a agrado das reformas, caíram na semana passada quando o escândalo quebrou.

O real brasileiro estendeu perdas na manhã de segunda-feira, enfraquecendo mais de 1%. Os rendimentos dos futuros de taxas de juros subiram, indicando que um corte profundo da taxa pelo banca central no final deste mês se tornou menos provável à medida que a incerteza cresce.

Próximas semanas justamente por colocar importantes projetos de lei em votar (no Congresso) ", disse Temer à Folha. O presidente, que assumiu o poder há um idade, depois a expulsão da ex-companheira de campanha Dilma Rousseff, sofreu uma pressão implacável em deixar o Congresso eleito Um novo presidente em o restante de seu mandato. A Rede Globo, o maior conglomerado de mídia do país, pediu a Temer em se demitir em um editorial do jornal na sexta-feira.

No final do sábado, a federação Brasileira de Advogados (falda) disse que apresentaria uma combate de impeachment contra Temer no Congresso, argumentando que a gravação, se comprovada a exatidão, mostrou um desamparo dos deveres presidenciais em manter a lei.

Centenas de manifestantes marcharam no domingo em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, cantando e acenando bandeiras lendo "Temer Out!"

Temer disse que a gravação não era prova de irregularidade E ele não relatou as vagas referências ao suborno de funcionários porque ele não acreditava neles.

"Eu mostrei, com relativo ocorrência, que o que o empresário fez foi induzir uma conversa", disse o presidente à Folha, reconhecendo que Ele tinha estado errado em não produzir nenhum registro de seu encontro com o empresário no livro de contabilidade oficial dos visitantes.

(Reportagem de Silvio Cascione e Anthony Boadle, edição de Daniel Flynn e Jeffrey Benkoe)

Fonte