Presidente da comissão que analisa denúncia diz não se vingar do governo – 12/07/2017 – Poder


Publicidade

O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), diz que não vai escolher um deputado aparelhado ao Planalto como relator de novas denúncias que podem ser apresentadas pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Pacheco afirmou que, inclusive, pode escolher o próprio Sergio Zveiter (PMDB-RJ), relator que apresentou parecer em prol do seguimento da denúncia da PGR por corrupção passiva.

*

Folha – O governo entende que o sr. jogou contra ao escolher Zveiter como relator. Como vê essa crítica?
Rodrigo Pacheco – Com naturalidade. É um equívoco do governo se desta forma pensar, porque há deputados flagrantemente favoráveis ao governo, mas há deputados flagrantemente contra. Escolhi alguém isento, cujo conteúdo do parecer eu sequer conhecia.

O sr. teme reação do Planalto?
Não temo reação alguma porque tenho consciência de que faço a coisa certa na condução da comissão.

Existe a expectativa de que a PGR apresente outras denúncias. O sr. deve indicar o mesmo relator?
Essa decisão deve impor primeiro que essa realidade ocorra. Caso seja oferecida uma segunda denúncia, nós vamos ajuizar o conteúdo e decidir um nome com o perfil parecido com o deputado Sergio Zveiter ou o próprio deputado Sergio Zveiter.

O sr. não descarta o nome dele em direção a relatar outras denúncias?
Não descarto o nome do deputado Sergio Zveiter em direção a ser relator de novas denúncias.

O sr. falou em se moderar de votar por ser o presidente da CCJ, mas deixou em patente esta probabilidade. O que o levaria a votar?
Cogito me moderar unicamente em direção a garantir a absoluta isenção na condução da CCJ.

No plenário da mesma forma?
Não. No plenário, minha desempenho não é mais como presidente da CCJ, é como um dos 513 deputados. Mas é uma questão que inclusive vou refletir. Mas, neste caso, já acho que a tendência não é me moderar no plenário.

Mesmo com a probabilidade de chegar outra denúncia?
Não gosto de me moderar. Mas, em direção a que não haja dúvida na condução de uma eventual segunda denúncia, talvez seja recomendável que haja jejum.

O sr. chegou a ser cogitado em direção a ganhar o Ministério da Justiça. Ficou alguma mágoa com o governo em relação a este episódio?
Não há qualquer mágoa. Este episódio não é revelador de nada, não me move em nenhuma monta. inclusive porque votei e continuei votando com o governo depois da escolha do assessor da Justiça.

Não se pode interpretar isso como uma vingança?
Não se pode interpretar isso como uma vingança, porque não é uma vingança. O que não significa que eu aplauda o governo em todas as posturas dele.

Com essas movimentações todas que estão acontecendo na CCJ, o resultado já está dado?
Não sei dizer qual vai ser o resultado na Comissão de Constituição e Justiça. Essas movimentações constituem um excesso de zelo do governo e ajudam o governo no resultado da CCJ. Estas substituições não contam com minha nução, com meu colaboração. Contam, de certo modo, com minha reprovação sob o ponto de vista ético. Mas eu nada posso instituir.

Presidente da comissão que analisa denúncia diz não se vingar do governo – 12/07/2017 – Poder

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2017/07/1900443-presidente-da-comissao-que-analisa-denuncia-diz-nao-se-vingar-do-governo.shtml