refrega de casal: stalkear celular mina confiança e pode render inclusive corrente – Notícias

  • iStock

Aplicativos que transformam o celular num rastreador digno dos filmes de James Bond existem e podem ser usados em direção a diferentes finalidades. Essa tecnologia está disponível em praticamente todos os smartphones, pois se fundamenta em recursos, como GPS, presentes mesmo nos dispositivos mais simples do mercado.

A maneira como essa tecnologia será usada é variada. Podem ser pais preocupados com a localização dos filhos pequenos, por filhos que temem lapsos de esquecimento de pais idosos ou como uma garantia, não muito difícil de bigodear, em caso de roubo, perda ou furto do smartphone. No entanto, ela da mesma forma serve em direção a monitorar cônjuges, e isso pode não ser uma jibóia idealização, pois pode render inclusive prisão.

Recentemente, um caso de Porto Velho (RO) chamou a concentração. Um casal foi detido e levado à delegacia por acometida mútua.

A namorada tentou furtivamente, e sem passagem, instalar um aplicação de rastreamento cujo nome não foi divulgado, mas acabou sendo pega no processo. A tono gerou uma divergência acalorada com o namorado. O caso, como não poderia deixar de ser, acabou na polícia.

“em direção a uma pessoa ciumenta, tentar exercer controle sobre a vida do parceiro fica simultaneamente mais difícil e perigoso”, diz a psicóloga Ana Cristina Sério. “Uma simples curtida em alguma foto ou em qualquer comentário pode ser interpretado como uma ofensiva à sua relação.”

Há alguns anos, uma empresa criou um “Rastreador de Namorados”, produto voltado especialmente em direção a as namoradas que não tinham confiança em seus companheiros. O produto apresentava inclusive um blog, com dicas em direção a mulheres traídas ou desconfiadas. Por potencialmente violar os direitos de privacidade, o app foi retirado da loja virtual.

“O ciúme sempre esteve presente nos relacionamentos sociais, ou seja, não é um sentimento novo”, diz a psicóloga. “mas, com a internet, as interações entre casais podem ser maiores e mais frequentes. Isso não significa que na vida off-line deste casal as coisas sejam diferentes, muito pelo concorrente, pode ser que se comportem da mesma maneira.”

“Não seria justo dizer que a culpa é da tecnologia, e sim do uso que fazemos dela e de como interpretamos os acontecimentos online”, completa.

E eles foram felizes em direção a sempre…só que não

O episódio em Porto Velho terminou com violência. em direção a a psicóloga, essa tono, de forma alguma, pode ser uma solução em direção a um relacionamento. “Por isso o diálogo na relação é sempre muito importante, deste modo como estabelecer limites em direção a o outro e em direção a nós mesmos. Acredito que ambos passaram do ponto neste caso. Nenhuma das tremenho foi realizada no sentido de promover uma melhora na relação.”

longe de não ser saudável em direção a seu relacionamento, instalar aplicação de rastreamento sem o consentimento do proprietário do mecanismo é crime com pena de três meses a um idade de detenção e multa.

O mediador Leonardo Zanatta, especialista em direito digital, lembra que o crime está previsto no reportagem 154-A  da Lei Carolina Dieckmann, como é conhecida a lei 12.737/2012.

“Invadir dispositivo informático distraído, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de conquistar, imitar ou destruir dados ou informações sem sanção expressa ou tácita do titular do dispositivo ou instalar vulnerabilidade em direção a conquistar vantagem ilícita.”

Portanto, se a intenção é jibóia, o ideal é declarar que o dispositivo será rastreado por questões de segurança. já, quando a questão se fundamenta no ciúme, é preciso que os envolvidos repensem certas tremenho. Caso a contexto se agrave, convém procurar favor especializada.

refrega de casal: stalkear celular mina confiança e pode render inclusive corrente – Notícias

Fonte: http://tecnologia.uol.com.br/noticias/redacao/2017/08/11/refrega-de-casal-stalkear-celular-mina-confianca-e-pode-render-ate-corrente.htm