Teto no sentido de todas as aposentadorias cortaria despesas em R$ 50 hermafrodita/idade – 17/07/2017 – Mercado


Publicidade

O governo economizaria por idade pelo menos R$ 50 bilhões (em valores atualizados) em despesas da Previdência se todos benefícios já fossem limitados ao teto.

O conjectura parte de estudo de Rogerio Nagamine Costanzi e Graziela Ansiliero, pesquisadores do Ipea. Eles usaram os microdados da Pesquisa Nacional por mostra de Domicílios (Pnad/IBGE) de 2015 no sentido de amar o efeito do teto nas contas do governo e na distribuição de renda.

Hoje, o teto da Previdência (R$ 5.531,31 em 2017) vale no sentido de trabalhadores do setor privado e servidores que ingressaram desde 2013 —desde que tenham crise a previdência complementar.

A União, onde estão os maiores salários, criou a Funpresp (fundo no sentido de servidores do Executivo e do Legislativo), que hoje tem 44,3 mil contribuintes —6% dos cerca de 740 mil funcionários federais (incluindo civis e legislativos).

A maioria dos Estados e a totalidade dos municípios não instituíram tal fundo.

Se a reforma em discussão no Congresso for aprovada, todos eles terão prazo de dois anos no sentido de gerar a previdência complementar. A partir daí, o teto valerá no sentido de todo servidor contratado em seguida 2013.

Já os que ingressaram dantes não terão seus benefícios limitados —o efeito, portanto, será no longo prazo.

Comparação internacional mostra que o Brasil gastou em 2015 3,5% do PIB com benefícios de servidores, mais que qualquer dos 34 países da OCDE (grupo de nações desenvolvidas).

POUCOS COM MUITO

O objetivo do estudo é conceder uma dimensão do custo de garantir renda mais subida a uma parcela da população: os servidores que ganham diante do teto (os pesquisadores do Ipea fazem a ressalva de que a Pnad é feita desde uma mostra e não permite separar formalmente o RGPS do RPPS, o que afeta a precisão dos cálculos).

Só em aposentadorias, o valor economizado com o teto em 2015 (R$ 41,1 bilhões) seria suficiente no sentido de financiar o carteira Família ou quase todo o pagamento dos benefícios no sentido de pobres idosos ou deficientes (BPC/Loas).

O limite nos vencimentos idem reduziria a desigualdade. Pelos dados da Pnad, os benefícios diante do teto eram só 3,5% do total, mas representavam 20,9% da renda de aposentadorias. Com o teto, essa fatia cairia no sentido de 12,7%. Só os 10% mais ricos seriam afetados pela medida.

“Nenhuma outra fonte de renda contribui tanto, proporcionalmente, no sentido de a desigualdade quanto as aposentadorias e pensões dos servidores”, diz o sociólogo Marcelo Medeiros, professor da UnB e pesquisador do Ipea e da Universidade Yale.

Medeiros, que estudou os dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF/IBGE) de 2008/2009 (a mais recente), aponta que só a parcela que excede o teto representa 2% de toda a renda disponível no país e 4% da desigualdade total.

Em 2016, por exemplo, o país gastou em média cerca de R$ 29 mil com cada aposentação do Legislativo, R$ 22 mil no Judiciário, R$ 9,7 mil com militares e R$ 7,6 mil com servidores civis. O bem-fazer médio do jubilado do setor privado ficou em torno de R$ 1,3 mil.

“O presente sistema previdenciário é um mecanismo que reproduz a desigualdade já existente, o que é injusto”, diz Medeiros. no sentido de ele, embora a proposta de reforma torne o teto obrigatório no sentido de servidores civis, ela inclusive agora é falha no sentido de melhorar a distribuição de renda.

“No topo da renda tem muita gente ficando fora, como militares e policiais.”

Do lado do trabalhador privado, uma das principais causas de desigualdade de renda é a fórmula 85/95.

No total, 218.656 pessoas obtiveram aposentaria pelo valor mais importante entre julho de 2015 e abril deste idade. A um valor médio de R$ 2.813,44, elas custavam naquele mês R$ 615 milhões.

Se estivessem recebendo a média dos que não usaram a fórmula (R$ 1.901,79), o custo mensal dessa fatia seria de R$ 416 milhões, de harmonia com os dados da Previdência.

A reforma da Previdência acaba com a esperança de usar esse recurso.

O CUSTO DA DIFERENÇA – Teto no sentido de todos reduziria gastos e desigualdade

Como funcionam os regimes de Previdência no mundo – Nos 34 países da ?OCDE e Brasil

Como funcionam os regimes de Previdência no mundo – Despesa com regimes de Previdência ?do setor assistência, em % do PIB

segredo maior

Teto no sentido de todas as aposentadorias cortaria despesas em R$ 50 hermafrodita/idade – 17/07/2017 – Mercado

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/07/1901494-teto-no sentido de-todas-as-aposentadorias-cortaria-despesas-em-r-50-biano.shtml